Saúde

O papel da Fisioterapia na Reabilitação de uma Cirurgia Estética

São cada vez mais os cirurgiões plásticos que recomendam a fisioterapia aos seus pacientes, porque também eles beneficiam da sua boa recuperação e dos seus bons resultados.

Artigo de opinião escrito por Neide Gomes da Costa, fisioterapeuta e formadora da Master para o Curso de Reabilitação de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva


“Todos os dias 15 mulheres portuguesas colocam silicone para aumentar a mama”.


Este é o título de uma reportagem do jornal expresso, que refere ainda que, por ano, Portugal importa 15.000 próteses mamárias, sendo as cirurgias de aumento mamário as mais realizadas em Portugal, seguidas das abdominoplastias.


O papel da Fisioterapia na Reabilitação de uma Cirurgia Estética


A cirurgia estética, tal como qualquer outra cirurgia, provoca uma lesão nos tecidos do doente que, por sua vez, irá desencadear o processo de cicatrização.


Os pacientes submetidos a cirurgia estética, para além de procurarem uma boa recuperação, com cicatrizes perfeitas e com o mínimo de desconforto, dores e limitações, desejam também regressar rapidamente às suas rotinas, pelo que o fisioterapeuta, ao procurar assegurar todos estes parâmetros torna-se numa presença fulcral junto do doente.


Para além disso, os pacientes têm muitas dúvidas, pelo que a monitorização e acompanhamento da sua recuperação pelo fisioterapeuta, transmitem muito mais confiança ao paciente.


Por todas estas razões, são também cada vez mais os cirurgiões plásticos que recomendam a fisioterapia aos seus pacientes, porque também eles beneficiam da boa recuperação e dos bons resultados dos seus pacientes.


Temas a abordar no módulo de Reabilitação de Cirurgia Plástica no Curso de Reabilitação de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva


1) Anatomo-fisiologia dos sistemas tegumentar, fascial e conjuntivo. Tipos de pele.


2) Anatomo-fisiologia dos sistemas circulatórios (sanguíneo e linfático).


3) Lesão tecidual e processo de cicatrização - resposta tecidual à agressão:


Este processo decorre em 3 fases:

- Inflamação: hemostase e exsudação

- Proliferação: aumento da vascularização e formação de fibroblastos

- Diferenciação: maturação dos fibroblastos, cicatrização tecidual e epitelização. É a fase mais prolongada, durante a qual ocorre a remodelação do tecido cicatricial, aumentando a resistência da cicatriz. A cor da cicatriz vai progressivamente alterando a sua tonalidade.


4) Fatores que poderão prejudicar a cicatrização dos tecidos:


Fatores locais:

- Características da ferida: dimensão, profundidade, tipo de secreção.

- Hematomas, seromas, edemas, presença de corpo estranho;

- Higienização, material e curativos;

Fatores sistémicos:

- Faixa etária: idades mais avançadas poderão ter cicatrizações mais lentas

- Estado nutricional: uma dieta pobre em proteínas e vitaminas pode prejudicar a cicatrização, podendo conduzir a deiscência de suturas

- Doenças crónicas, diabetes, hipertensão

- Terapias medicamentosas

- Isquemia tecidual: pela presença de muita gordura, por ser fumador

- Distúrbios cicatriciais: alterações inerentes a cada indivíduo relacionadas com o tipo de tecido conjuntivo e com a própria formação cicatricial, provocando cicatrizes hipertróficas, quelóides, ou mesmo atrofia cicatricial.

- Hábitos do doente: atividade física ou sedentarismo; reações da cicatriz aos hábitos de vida.


5) Cirurgias estéticas mais comuns:

- Ritidoplastias (de rosto, braços e coxas);

- Rinoplastias;

- Mamoplastias de aumento e de redução

- Abdominoplastias;

- Lipoaspirações.


6) Complicações mais frequentes:

- Aderências;

- Fibroses;

- Retrações miofasciais;

- Granulomas;

- Alterações posturais.


7) Raciocínio clínico aplicado às disfunções teciduais, avaliação e diagnóstico.


8) Tratamento pré-cirúrgico para prevenção de complicações.


9) Terapias manuais aplicadas ao pré e pós-cirúrgico de cada cirurgia.


10) Aplicação dos recursos tecnológicos de eletroterapia e fototerapia no pré e pós-operatório da cirurgia plástica e reconstrutiva.


11) Protocolos de reabilitação aplicados a cada cirurgia.


12) A Reeducação postural aplicada  à reabilitação cirúrgica.




Referências Bibliográficas


Milani, G., João, S. M., & Farah, E. A. (2006). Fundamentos da Fisioterapia dermato-funcional: revisão de literatura. Fisioterapia E Pesquisa, 13(1), 37-43.


BORGES, F. Dermatofuncional: Modalidades terapêuticas nas disfuções estéticas. 2ª ed. São Paulo: Phorte, 2009.


GUIRRO, Elaine; GUIRRO, Rinaldo. Fisioterapia dermato-funcional. 3ª edição. Manole: São Paulo, 2002.


Cesaretti, I.U.R, (1998). Processo fisiológico de cicatrização da ferida. Pelle Sana 2, 10-2.


Santos V.L.C.G., (2000). Avanços tecnológicos no tratamento de feridas e algumas aplicações em domicílio. In Y.A.O. Duarte, MJD, Diogo. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico (pp.265-306). São Paulo: Atheneu.


Herpertz, U. (2006). Edema e drenagem linfática: diagnóstico e terapia do edema. São Paulo, Brasil: Roca. Jatene, P.R.S., Jatene, M.C.V., Barbosa, A.L.M. (2005).


Abdominoplastia: experiência clínica, complicações e revisão de literatura. Rev. Soc. Bras. Cir. Plas., 20(2), 65-71.


Leduc, A. & Leduc, O. (2007). Leduc, A. & Leduc, O. (2007). Drenagem linfática: teórica e prática (3 ed.). São Paulo, Brasil: Manole.


Mcmorrow J.P. & Murphy E.P. (2011). Inflammation: a role for NR4A orphan nuclear receptors?. Biochem Soc Trans. 39(2), 688-693 Soares, L.M.A.,


Soares, S.M.B. & Soares, A.K.A. (2005). Estudo comparativo da eficácia da drenagem linfática manual e mecânica no pós-operatório de dermolipectomia. Rev. Bras. Prom. Saude, 18(4), 199-204.


Boisnic, S. (2008). An Ex-Vivo Study Of The Regen Tripolar Rf Device Using An Experimental Human Skin Model. Nouv. Dermatol, 28, 331-332. Borges, F.S. (2010).


Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas Nas Disfunções Estéticas. 2 Ed. São Paulo: Phorte. Manuskiatti, W. Wachirakaphan C, Lektrakul N, Varothai S (2009).


Circumference Reduction And Cellulite Treatment With A Tripollar radiofrequency Device: A Pilot Study. Journal Compilation European Academy Of Dermatology And Venereology, 23, 820-827.


Chew, A. L., & Maibach, H. I., (2003). Sensitive Skin, In M, Lóden & H. I. Maibach (orgs.), Dry Skin And Moisturizers: Chemistry And Function, (pp.403-411). Florida, USA: CRC Press.


Ver Mais

Fonte:

Blog Fisioterapia

Jornal Expresso

Partilha este artigo

Share to Facebook Share to Twitter Share to Google + Share to Mail

Newsletter Fica a saber tudo para seres cada vez melhor. Regista-te aqui!