1ª Edição
Porto 6h Sem informação de idioma

Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa (DAE)

17 Jun 2017

Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa (DAE)

Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa (DAE)

Doença cardiovascular - maior causa mortalidade no Ocidente. DAE aumenta taxa de sobrevivência. Obrigatoriedade legal em espaços públicos, ginásios e recintos desportivos.

DESTINATÁRIOS

Profissionais das Ciências da Saúde e do Desporto (tb. estudantes das repectivas licenciaturas)

VAGAS

0 formandos

DATAS

17 Jun 2017

LIMITE DE INSCRIÇÃO

17 Mai 2017

HORÁRIOS

Sem informações
LOCALIZAÇÃO

Bombeiros Voluntários de Pedrouços

R. Luís de Camões, 139

4425-666 Pedrouços, Porto

COORDENADAS

Latitude: 0

Longitude: 0

A doença cardiovascular assume uma liderança destacada no ocidente no que respeita à mortalidade das populações. A morte súbita é, inúmeras vezes, a primeira manifestação dessa doença. No entanto, muitas destas vidas podem ser salvas se for iniciado de imediato o suporte básico de vida (SBV) e providenciada a desfibrilhação em escassos minutos. Nestes casos, a probabilidade de sobrevivência é tanto maior quanto menor o tempo decorrido entre o evento coronário e a desfibrilhação. Anualmente, mais de 700.000 adultos na Europa morrem de doença cardiovascular e pelo menos 40% morrem de morte súbita cardíaca, antes mesmo de chegarem ao hospital. O Desfibrilhador Automático Externo (DAE), utilizado em paragens cardiorrespiratórias, tem como função identificar o ritmo cardíaco ou fibrilhação ventricular (FV) presente em 90% das paragens cardíacas. Este equipamento tem a capacidade de efectuar a leitura automática do ritmo cardíaco e as condições cardíacas do paciente. Potenciar e fomentar a prática da desfibrilhação com um DAE visa o aumento da taxa de sobrevivência por morte súbita causada por fibrilhação ventricular. Em locais onde o programa de DAE proporciona de imediato o SBV e o primeiro choque nos 3 minutos após o colapso cardíaco, a taxa de sobrevivência para fibrilhação ventricular por morte súbita é superior a 74%. Actualmente, apenas 5% de vítimas de morte súbita sobrevivem em locais onde não existem programas de DAE instalados, capazes de providenciar SBV e desfibrilhação de forma rápida e eficaz. Em Portugal, as doenças cardiovasculares, com especial incidência no Enfarte Agudo do Miocárdio (AVC) e no Acidente Vascular Cerebral (AVC), estão entre as principais causas de morte e incapacidade, uma vez que: - 40% dos portugueses tem hipertensão e excesso de peso - 15% da população é pré-diabética, com valores basais muito perto dos limites máximos considerados normais - 9% é diabética A doença cardiovascular representa tantas mortes como as causas em conjunto por cancro, doença respiratória, acidentes, diabetes e gripe. Pela sua importância, foi instituída legalmente a obrigatoriedade de existência de DAEs e operacionais treinados em locais de acesso público, nomeadamente nos estabelecimentos comerciais de dimensão relevante, espaços de lazer, ginásios, recintos desportivos, lares e centros de dia (Decreto-Lei 184/2012). Este é o curso obrigatório para os profissionais que pretendam integrar um programa de desfibrilhação ou simplesmente saber como agir perante alguém em situação de paragem cardiorrespiratória.

Ver Mais

Objectivos gerais: Adquirir conhecimentos que lhe permitam, realizar manobras de suporte básico de vida com utilização do desfibrilhador automático externo, numa vítima em paragem cardiorrespiratória. Objectivos específicos: - Compreender o conceito da cadeia de sobrevivência. - Identificar os potenciais riscos para o reanimador. - Saber executar correctamente as manobras de SBV, de acordo com as guidelines de reanimação mais recentes. - Conhecer o conceito de DAE. - Identificar as regras de segurança inerentes à utilização de DAE. - Descrever os passos e a sequência de intervenções na DAE. - Saber executar correctamente e em segurança as técnicas de reanimação SBV com apoio de DAE, de acordo com as guidelines de reanimação mais recentes.
- Cadeia de sobrevivência - Risco para reanimador - Suporte Básico de Vida - Posição Lateral de Segurança - Obstrução da Via Aérea - Desfibrilhador Automático Externo
Sem informação
Sem informação

Modo de pagamento

Totalidade

100%

na inscrição

Faseado

50%
na inscrição
50%
até 09.06.2017
Sem informação
1. A doença cardiovascular assume uma liderança destacada no mundo ocidental na mortalidade das populações. 2. Em Portugal, as doenças cardiovasculares constituem um dos problemas de saúde mais graves para a população. A maioria das mortes evitáveis associa-se à doença coronária e ocorre fora das Instituições Hospitalares. 3. Os procedimentos específicos definidos nas recomendações sobre reanimação, quando devidamente aplicados, aumentam de forma significativa a probabilidade de sobrevivência em caso de paragem cárdio-respiratória (PCR), pelo que a pronta e a correcta execução de SBV e DAE são essenciais para reduzir a mortalidade e morbilidade (sequelas) associadas à PCR (INEM, 2012).

Newsletter Fica a saber tudo para seres cada vez melhor. Regista-te aqui!