1ª Edição
Braga 16h Sem informação de idioma

Intervenção da Fisioterapia Pós-Acidente Vascular Encefálico ou Cerebral Agudo

23 Set 2017 - 24 Set 2017

Intervenção da Fisioterapia Pós-Acidente Vascular Encefálico ou Cerebral Agudo

Intervenção da Fisioterapia Pós-Acidente Vascular Encefálico ou Cerebral Agudo

Desconstruir conceitos pré-formados. Princípios do movimento e não conceitos de intervenção. Neuroplasticidade. Intervenção baseada em evidência.

DESTINATÁRIOS

Fisioterapeutas (tb. Estudantes)

VAGAS

0 formandos

DATAS

23 Set 2017 - 24 Set 2017

LIMITE DE INSCRIÇÃO

28 Nov 2016

HORÁRIOS

Sem informações
LOCALIZAÇÃO

Ginásio Flexgym

Rua dos Barbosas 119

4715-086 Braga, Braga

COORDENADAS

Latitude: 0

Longitude: 0

FORMADOR

Portugal

Sílvia Ferreira

Neurologia

Especialista na intervenção neurológica

Sílvia Ferreira - Master Science Lab
Regista-se globalmente e em Portugal, um número crescente de AVE/AVC´s, sendo 2015 o ano no qual se verificou o maior número de casos em território nacional. A evidência científica demonstra a importância da intervenção precoce dos técnicos de saúde, nomeadamente Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Enfermeiros, Médicos, Nutricionistas e Neuropsicólogos em contexto hospitalar e nas unidades de AVC. Para além disso, sendo a mobilização precoce recomendada com elevado índice de evidência para prevenção de complicações sub-agudas pós-AVE, é necessária uma assertividade e rigor na avaliação para selecção dos estímulos específicos proporcionados ao indivíduo no sentido da reorganização do Sistema Nervoso. Num período em que emergem vários métodos e estratégias de intervenção com crescente vertente tecnológica associada, pretende-se desconstruir conceitos pré-formados, baseando a nossa intervenção nos fundamentos do movimento humano e não em conceitos de intervenção. Pretende-se igualmente refinar a avaliação do indivíduo para que a intervenção, baseada na evidência mas centrada no indivíduo, seja significativa, considerando a condição clínica do indivíduo. Assim, as nossas estratégias de intervenção devem visar a melhoria funcional, centrando-se na especifidade da tarefa e não na incapacidade do indivíduo, proporcionando-se a oportunidade para o movimento. A ligação entre a neurofisiologia, o movimento humano, o indíviduo e a evidência científica, bases da fundamentação do raciocínio clínico, permite a selecção de estratégias de intervenção específicas e significativas que, potenciando a neuroplasticidade, se repercutem na função, performance e eficiência do movimento.

Ver Mais

Finalidade A presente formação pretende dotar os formandos de competências que lhes possibilitem avaliar um indivíduo pós-AVE/AVC agudo, seleccionando estratégias de intervenção específicas para cada utente, considerando as condicionantes da sua situação clínica actual, bem como as precauções específicas da intervenção na fase aguda, integrando-se numa equipa transdisciplinar. Objetivos gerais - Compreender a importância da intervenção da fisioterapia na fase aguda pós-AVE/AVC, considerando as suas especificidades, bem como a sua integração no trabalho transdisciplinar. - Conhecer as precauções inerentes à condição clínica do indivíduo. - Conhecer as várias repercussões funcionais do AVE/AVC, bem como o papel da fisioterapia. - Conhecer as guidelines de intervenção. - Estruturar a avaliação do indivíduo pós-AVE/AVC agudo, considerando a área de lesão, o prognóstico funcional e o diagnóstico diferencial. - Conhecer os fundamentos/princípios da intervenção baseada no movimento humano, bem como as suas especifidades. - Compreender as várias estratégias de intervenção e sua selecção, tendo em consideração o indivíduo e a sua situação clínica. - Desenvolver estratégias de intervenção específicas. Objetivos específicos - Seleccionar estratégias de intervenção específicas para cada indivíduo, baseadas na avaliação, situação clínica, contexto ambiental e evidência científica. - Apresentar, em contexto clínico, competências relativas à transdisciplinaridade da intervenção pós-AVE/AVC agudo. - Identificar as especificidades da intervenção clínica baseando-se na análise do movimento humano, considerando os estímulos significativos para cada indivíduo de forma a potenciar a re-organização do sistema nervoso.

Ver Mais

- Breve abordagem do acidente vascular encefálico/cerebral (etiologia, epidemiologia, factores de risco, patofisiologia e classificação); - Avaliação/intervenção médica (imagiologia e farmacologia) e sua influência na intervenção da fisioterapia; - Áreas de lesão e repercussões funcionais a nível sensório-motor, linguagem, deglutição, percepção, cognição, emoções, função urinária e vesical, função autonómica e visão. - Repercussões/complicações cardíacas, ventilatórias, vasculares, tegumentares; - Avaliação e intervenção da fisioterapia, relacionando-a com a neurofisiologia e precauções específicas; - Prognóstico e diagnóstico diferencial; - A intervenção da fisioterapia nos cuidados intensivos VS cuidados intermédios; - Guidelines de intervenção e sua análise crítica; - Princípios/Fundamentos da intervenção da fisioterapia VS métodos de intervenção; - Estratégias de intervenção.
Sem informação
Sem informação

Modo de pagamento

Totalidade

100%

na inscrição

Faseado

50%
na inscrição
50%
até 15.09.2017

Sílvia Ferreira

Sílvia Ferreira é diplomada em fisioterapia e cedo começou a especializar-se na intervenção neurológica, trajecto que lhe valeu o reconhecimento na comunidade científica e académica. Ao seu notório e extenso percurso na prática clínica, privada e particular, associa ainda a sua experiência enquanto docente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto. Ao longo dos últimos anos, Sílvia tem complementado a sua formação em diversas áreas de especialidade, aprimorando a sua intervenção em contexto clínico.

Ver Mais

1. Compreender os princípios da intervenção vs. métodos de intervenção, de forma a seleccionar estratégias fundamentadas no movimento humano, evidência científica e individualidade. 2. Optimizar as suas competências clínicas e relacionais no trabalho de equipa transdisciplinar. 3. Melhorar o nível de conhecimentos relativos à intervenção precoce e evidência científica actual, adquirindo competências técnicas e de raciocínio clínico.

Newsletter Fica a saber tudo para seres cada vez melhor. Regista-te aqui!