Exercício

Foco Externo ou Foco Interno: qual o mais efectivo?

Em termos de eficácia, eficiência e velocidade de aprendizagem, o foco externo apresenta maiores benefícios.

Nos últimos anos tem-se privilegiado o foco atencional na aprendizagem de uma tarefa motora.


Foco atencional foi definido por alguns autores como “a habilidade ou capacidade de controlar a concentração não só com distracções externas, bem como ser capaz de concentrar nos comandos específicos para a tarefa”.


Numa definição mais específica para a aprendizagem motora, outro autor, definiu-o “de um ponto de vista da aprendizagem motora, o foco atencional é definido como o esforço consciente de um indivíduo para concentrar a sua atenção através de pensamentos explícitos, num esforço para executar uma habilidade motora com um desempenho superior”.


Simplificando, o foco atencional é a capacidade de nos concentrarmos sem qualquer tipo de distracção e ouvindo/seguindo todas as instruções para realizar uma tarefa com sucesso.


Na tentativa de melhorar o foco atencional e automatizar a capacidade de integrar ou melhorar a aquisição de novas tarefas motoras, tem-se estudado se é o foco interno ou o foco externo a melhor estratégia para melhorar a performance.


Segundo a ciência não há dúvidas: o foco externo é muito mais efectivo em termos de eficácia, eficiência e velocidade de aprendizagem.


Mas o que é realmente o foco interno e externo?

Foco interno é quando nos focamos num segmento corporal para completar uma tarefa. O foco externo é quando nos focamos na efectividade do movimento.



Descrevamos, sucintamente, alguns estudos feitos para melhor compreensão deste conceito, lançando, por fim, um desafio:


• Um estudo com doentes parkinsónicos dividiu 3 grupos - um com informações de foco interno, outro de foco externo e o terceiro sem qualquer foco - para avaliar o equilíbrio. Em todos os grupos a baseline era “manterem-se de pé o mais imóvel possível”.


Os comandos utilizados foram:

- Comando foco interno: “manter de pé o mais imóvel possível, e concentrem-se em manter a mesma quantidade de força em cada pé"

- Comando foco externo: “manter de pé o mais imóvel possível e concentrem-se em manter a mesma quantidade de força em cada rectângulo”


O resultado final foi que os indivíduos que se focaram externamente tiveram melhores resultados que o grupo sem foco e foco interno. Curiosamente, o grupo em que não houve foco apresentou melhores resultados do que o grupo do foco interno.



• Outro estudo focou-se na economia de corredores através do foco interno e externo.


O grupo do foco interno tinha como objetivo concentrar-se em partes corporais, como os membros inferiores e respiração, através de indicações transmitidas de 15 em 15 segundos a partir da gravação de um CD:

- “concentre-se no movimento da corrida”

- “preste atenção aos passos e ao movimento das pernas”

- “concentre-se na respiração”

- “preste atenção ao inspirar e expirar”

Já o grupo do foco externo visualizava um vídeo de uma corrida ao ar livre, a 12Km/h, da perspectiva do corredor.

- “Foque-se no vídeo”

- “Preste atenção à estrada”


O resultado final demonstrou que a economia da corrida foi melhorada no grupo do foco externo.



Como já referimos o foco externo apresenta mais benefício para melhorar:

a eficácia (terminar a tarefa) como no estudo dos parkinsónicos;

a eficiência (terminar a tarefa, gastando o mínimo de recursos possível) como no estudo dos corredores;

a velocidade de aprendizagem é mais rápida;

o movimento é mais automático e não tão consciente.


Para uma melhor compreensão dos últimos dois pontos, deixo um desafio:

Primeiro, analise as instruções com foco interno. Não veja as instruções do foco externo, sem primeiro completar a tarefa do foco interno.

Para que possa comparar as duas abordagens deverá contabilizar o tempo de interpretação e execução para cada uma, individualmente. Por fim, compare os resultados. 


Foco Interno:

1. De pé levante o braço a direito, em frente, até aos 45º e dobre o cotovelo entre 100 a 110º.

2. Sem tirar os pés do chão, dobre os joelhos a 90º ao mesmo tempo que leva o rabo para trás para não cair.


Foco Externo:

1. Leve a mão direita à boca

2. Sente-se na cadeira


Em qual dos focos acha que foi mais rápido?

Em qual o movimento foi mais automático? 


--


Artigo escrito pelo fisioterapeuta Gustavo Figueiredo. Licenciado em Fisioterapia pela Universidade Fernando Pessoa e mestre em Fisioterapia no Desporto pela Escola Superior de Tecnologia e Saúde do Porto, exerce prática na clínica FISIOGlobal - Saúde Integral, FisioNorte, Castelo da Maia Ginásio Clube e Clínica Sua Saúde. 

Ver Mais

Fonte:

Zachry, T., Wulf, G., Mercer, J., & Bezodis, N. (2005). Increased movement accuracy and reduced EMG activity as the result of adopting an external focus of attention.

Wulf, G., McNevin, N. H., Fuchs, T., Ritter, F., & Toole, T. (2000). Attentional Focus in Complex Skill Learning.

Wulf, G., & Lewthwaite, R. (2016). Optimizing performance through intrinsic motivation and attention for learning: The OPTIMAL theory of motor learning.

Wulf, G. (2013). Attentional focus and motor learning: A review of 15 years.

Winkelman, N. C. (2018). Attentional Focus and Cueing for Speed Development.

Schücker, L., Hagemann, N., Strauss, B., & Völker, K. (2009). The effect of attentional focus on running economy.

Landers, M., Wulf, G., Wallmann, H., & Guadagnoli, M. (2005). An external focus of attention attenuates balance impairment in patients with Parkinson’s disease who have a fall history.

Hunt, C., Paez, A., & Folmar, E. (2017). The Impact Of Attentional Focus On The Treatment Of Musculoskeletal And Movement Disorders.

Partilha este artigo

Share to Facebook Share to Twitter Share to Google + Share to Mail

Cursos Relacionados

Newsletter Fica a saber tudo para seres cada vez melhor. Regista-te aqui!